23 outubro 2017

Fiscalização, mas pouca

Mais um Morgado do sistema. Assim percebe-se um pouco melhor o veto à TM.

28 setembro 2017

Nuclear, mas poucochinho

Há armamento nuclear a circular.

27 setembro 2017

Tancos é o novo fenómeno do Entroncamento

Por favor, substituam o hino nacional pela banda sonora da série Twilight Zone: Portugal entrou na Quinta Dimensão. O Expresso divulgou um misterioso relatório dos "serviços de informações militares" sobre Tancos que tece violentas críticas ao ministro da Defesa e onde se alinham dez cenários sobre os possíveis responsáveis pelo roubo. Ou melhor: nove cenários sobre assaltantes e um sobre a inexistência de assalto, atribuindo-o (e cito) a uma "encenação de militares descontentes por não terem passado à reserva". Como se não bastasse mais esta subida de degrau no patamar da irrealidade, eis que no dia em que a notícia é publicada o próprio António Costa vem afirmar desconhecer em "absoluto" tal relatório, e que ele não foi produzido por "nenhum organismo oficial do Estado português".

Total e completa

Qual é a diferença?
 
Vergonha é sempre vergonha.

26 setembro 2017

O estranho caso do relatório estranho

Veio o Expresso de 23 de Setembro acordar Lisboa e o resto do país com um título de arromba. Relatório das secretas sobre Tancos arrasa ministro e militares. Hugo Franco e Luísa Meireles (pois é, essa mesma!) assinam o explosivo composto.
 
Na Companhia logo se estranhou. Primeiro, porque nenhum relatório de nenhum serviço público, e muito menos de informações, arrasa qualquer ministro. Pelo menos enquanto estiver em funções. Para os ministros da República os relatórios dos serviços de informações, as secretas como lhe chama o Expresso, são uma mistura de graxa e scotch brite. Tornam os ditos brilhantes por mais sujos que estejam.Segundo, porque a autora das meirelíadas "bebe do fino", que é como quem diz acede lá acima. Se ela fala num relatório é porque ele existe.As palavras "secretas", "explosivo" e "informações militares" são apenas engodos jornalísticos.
 
Que o relatório existe afirmou-o o Expresso no dia 23 e nos dias que se seguiram. Afirmaram-no vários dirigentes do PSD, desde logo o seu presidente. Afirmaram-no, pela negativa ("não é de um serviço de informações militar", "não é do SIS nem do SIED"), o presidente do afetos, o primeiro ministro da grande coligação, alguns ministros e chefes militares.
 
Da leitura do conteúdo do Expresso, um relatório que contenha aqueles considerandos e aquelas conclusões não parece um mau relatório. Ele apenas dá corpo aquilo que muitos pensam. Ficar preocupado com a existência do relatório e tranquilo quando lhe asseguram que não é um relatório oficial é próprio de quem vive num mundo avestrusiano de afetos virtuais, para consumo nas redes sociais.
 
À Companhia preocupa sobretudo que o estranho relatório não tenha sido elaborado pelos serviços de informações. Se o tivesse sido isso atestaria a maioridade dos serviços, dos seus dirigentes e da nossa Democracia.

01 setembro 2017

A informação difusa

"Uma informação «difusa», sem concretizar alvos em concreto nem dias precisos, sobre um possível atentado em Lisboa foi enviado ao SIS por uma agência secreta estrangeira."
 
Diário de Notícias, 01-09-2017
 
Dúvidas:
  • Uma informação que não concretiza alvos nem dias é uma informação ou uma adivinha?
  • É legitimo dar indicações sobre a provável ameaça a dezenas, senão centenas, de destinários e vir depois culpar as redes sociais? O Torreão vive no século XVII?
  • Será que a nova lei dos metadados levou os serviços portugueses a antecipar esta ameaça e a referência a uma agência secreta estrangeira não passa de uma manifestação de humildade?
  • Ainda alguém leva esta gente a sério (com excepção dos que vivem à sombra da mesma fileira de actividade)?
  • A ministra da Administração Interna, o primeiro ministro e o presidente da República além de comentarem boatos (chamados pomposamente rumores) comentam também fake news?

25 agosto 2017

Valores e modelos de vida

"No solo estamos unidos en el duelo, estamos unidos en la voluntad para vencer a quienes quieren arrebatarnos nuestros valores y modelos de vida".
 
Mariano Rajoy, 17 de agosto de 2017
(a propósito do acto terrorista das Ramblas, Barcelona)
 
A verdade é que os líderes políticos, os media e a sociedade reagem da forma desejada pelos terroristas. Sempre. Talvez seja um novo modelo de vida (e para o comprovar, pelo caminho, vai-se à Rambla bebe-se um curto e tira-se uma selfie).